• Larissa Leão

A Reina da Fantasia Primeira


UMA

Aqui e agora, fincada no presente, instituo A Reina da Fantasia Primeira.

Acredito que o sonhar pode ser o meu delírio mais profundo e acreditar nele é a corda bamba por onde caminho. E não há outro lugar para pisar, a não ser mergulhar nessa areia movediça que me rodeia. Não há salvação, o sonho me sufoca e é nessa falta de ar que vivo. Ou seria no excesso? Excesso de oxigênio que me delira. Sim, acredito ser isso: excesso de oxigênio para esse corpo e, então, a fantasia penetra.

A fantasia penetra e persiste, insiste em sair. Não há nada mais que me faça viver e chorar.



DUAS

Toque-me como a um sonho. Morda-me, me ame, me coma como quem devora um sonho. Penetra-me como quem se lambuza no sonho mais melado, mais calado, mais viscoso. Faça-me gozar como quem, sem querer, acorda molhada de um sonho.

Meu sonho tem sabor de sexo suado, molhado, encharcado, fluidos trocados na intensidade de domingo. Domingo de portas e cortinas fechadas, só nós, mergulhadas, dedicadas em lamber e provar o sal e o mel de se roçar.

Meu sonho mora no bico do meu peito e quem quer viver que mame, que chupe, que se alimente. Quem quiser que derrame o leite bom nas suas caras e aproveite as suas tantas saídas, os seus manifestos, os seus sonoros gritos de amor e gozo.

E por isso, instauro a partir de hoje a Reina da Fantasia Primeira. Uma Reina autocrática, sem culpa e sem medo, uma tirania de fantasias e desejos.



TRÊS

Que a poesia seja instituída como causa primeira da matéria e faça da vida veloz uma pausa sobre a primavera. Fazer da fantasia a nossa estação severa.

Que a poesia seja o meu exercício diário de contravenção, de contra-versão de mundos, muros e pontes.

Que a poesia seja o alimento fundador de corpos, enchedor de copos e fecundador de colos e ventres e solos.

Fecunda meu ventre: quero gêmeas: Eva e Lilith, todas dentro de mim: florindo maçãs, frutificando flores: Eva e Lilith em mim.

Ser eu todas elas: mãe e filha, pois na passagem não se sabe quem nasce primeiro:

Mãe,

Mulher,

Filha,

Tormenta,

nesse ciclo infinito de parir universos inteiros.


E sendo assim, instauro aqui e agora a minha Reina: A Reina da Fantasia Primeira.




Escrito por: Larissa Leão

Revisado por: Hugo Leonardo

10 visualizações0 comentário